quinta-feira, 19 de julho de 2012

Turismo de Aventura e a sustentabilidade

Sustentabilidade...palavra que anda desgastada pelo uso freqüente e nem sempre acompanhada de ações concretas e resultados confiáveis. Esse foi o tema central do #TurismoEmDebate de julho.

É claro que sua essência não se perdeu. E, como acredito que as discussões são mais efetivas se partirmos de uma base conceitual, adoto o conceito da Triple Bottom Line, que foi definido em 1994 por John Elkington.


A Triple Bottom Line leva em conta três aspectos: o econômico, o humano e o ambiental. De fato, como pensar que um destino turístico pode sobreviver no médio e longo prazos sem um correto equacionamento destas variáveis? O que pode ser feito pelos turistas de aventuras?

Econômico

O excelente guia local Damião Carlos,
fazendo a preleção inicial antes de nossa
trilha para o Sítio Arqueológico do
Xiquexique
Em muitas comunidades, o Turismo de Aventura representa uma fonte importante de renda que freqüentemente substitui a renda que anteriormente era obtida com práticas impactantes ao meio ambiente.

Se a atividade turística não for viável economicamente para as pessoas que moram em determinado destino, todos perdem. O meio ambiente deixa de ser preservado (sim, o aspecto econômico fala mais alto), os turistas deixam de contar com serviços locais (mais acessíveis) e, é claro, perdem os habitantes.

Algumas boas práticas:

- Contrate guias locais. Ainda que não sejam imprescindíveis para sua trilha, contam as histórias do local e podem ajudar em caso de necessidade.
- Se possível, hospede-se em casas de moradores.
- Compre produtos do lugar. Artesanato, alimentos, etc.
- Faça refeições na comunidade
- Pechinche, mas não desvalorize os produtos e serviços que estão sendo negociados
- Ao invés de apenas criticar quando houver falhas, oriente as pessoas sobre como melhorar a qualidade do serviço prestado, ajudando a mantê-lo

Humano

Quadrilha Junina em Lençóis - BA
Quadrilha Junina em Lençóis - BA
Aqui, considero que o ponto-chave é valorizar a cultura local, em suas manifestações gastronômicas, artísticas, de linguagem, históricas, arquitetônicas, etc.

Algumas boas práticas:

- Mesmo que não concorde com certas práticas, respeite a tradição. Lembre-se que sua visita é temporária
- Participe dos eventos culturais.
- Leia sobre a história, costumes e práticas do locais. Enriquecerá sua viagem e lhe ajudará a compreender os destinos
- Divulgue os aspectos culturais dos destinos em suas redes sociais. Perpetue-os através de fotografias
- Pare um tempinho para ouvir as histórias dos moradores
- Visite mercados e feiras

Ambiental

O Turismo de Aventura tem uma relação muito forte com os ambientes naturais. Afinal, as atividades são desenvolvidas em montanhas, rios, lagos, mares, sertões, cerrados, etc. onde os eventuais impactos são, muitas vezes, imediatos.

Saber preservar estes ambientes é, no mínimo, preservar a possibilidade de realizar novamente as atividades de turismo de aventura. É claro que os benefícios, vão muito além disso - os recursos naturais são a fonte de nossa subsistência e nosso bem-estar. Vale uma citação do biólogo  Edward O. Wilson:

"Não necessitamos apenas fisicamente da natureza. Precisamos dela psicologicamente. O homem nunca poderá viver afastado da natureza. Seria uma experiência difícil e perigosa. Aí, sim, poderíamos ser condenados à extinção"

Uma excelente lista com boas práticas está no "Pega Leve"

Postagens relacionadas, já publicadas no Aventura Mango:

- Precisamos das Montanhas !
- Cruzeiros em Fernando de Noronha - ameaça ao ecoturismo?
- Saboreando a viagem
- Princípios de sustentabilidade (NBR 15401)
- A valorização de experiências

Blogagem coletiva #TurismoemDebate:

- Turismo sustentável - Eu Vou de Mochila
- Praticar Turismo Sustentável é possível? - Trilhas e Aventuras
- Turismo Sustentável no Brasil – Viagens e o meio ambiente - Viajando com eles
- Em busca do Turismo Sustentável - Viajando por aí
- Turismo Sustentável - VPA Tour
- Turismo em Debate…no Twitter! - Vulks

10 comentários:

  1. Òtimo post,Jodrian! Adorei qndo vc fala em conhecer um pouco da cultura local do local de onde você passar..acho super importante conversar com os moradores,descobrir seus costumes,sua cultura!!Adoro fazer trilha pelo RN com os guias do local..moradores cheios de histórias para contar que sem duvida deixam o passeio bem mais rico.To divulgando seu post,tá? abçs!! :)

    ResponderExcluir
  2. Graaaaande Jodrian! Texto perfeito, não tem como não concordar em gênero, número e grau! Abração, mano!

    ResponderExcluir
  3. Essa tríade é base para qualquer tipo de atividade, um pensamento super importante que as vezes é esquecido pelo jeitinho brasileiro de passar por cima. Muito bom texto, compartilharei também.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Isso!! Vale para qualquer tipo de atividade. Obrigado :)

      Excluir
  4. Oi Jodrian!
    Concordo com tudo que vc escreveu. Ficou excelente o post! Em muitos lugares do Brasil (principalmente) o pessoal esqueceu completamente o sentido de tudo isso.. =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado Bruna!! E é verdade: precisamos que esses conceitos sejam lembrados e praticados.

      Excluir
  5. Maravilha de post, Jodrian. Todo viajante deveria ter em mente essas boas práticas. Quanto ao aspecto econîmico, não é raro ver pessoas irem aos lugares com aquele pensamento de economizar ao máximo e acabar apenas explorando e tirando proveito daquele lugar sem dar algo em troca. Sim, porque turismo também é troca. Ora bolas, se você foi ao lugar, se divertiu, tirou lindas fotos e gerou uma quantidade considerável de lixo, dê algo em troca.
    Abraço

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Muito obrigado, Amanda !!
      Você sintetizou bem: Turismo é uma troca de experiências, aprendizado...e toda troca deve gerar benefícios mútuos.
      Grande abraço e obrigado pelos comentários

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...