domingo, 7 de maio de 2017

Roteiro de aventura: Atacama, Uyuni e Huayna Potosi


Vulcão Licancabur
A visão onipresente no Atacama: Vulcão Licancabur
Com a crise econômica de 2015 e 2016, passamos 2 anos sem viagens internacionais. Em abril deste ano, conseguimos planejar e executar um roteiro fantástico por alguns destinos de aventura que faziam parte de nossa lista.

Vamos começar nosso relato com uma apresentação geral de nosso roteiro, onde os Nerds Viajantes foram nossa principal fonte de informações para esta viagem, tanto através do blog quanto em uma agradável conversa durante um jantar em Pipa - RN.

Atacama

Começamos nossa viagem pelo Chile, rumo a San Pedro de Atacama, pequena cidade que é o ponto central de onde partem os turistas para visitação e aventuras em paisagens únicas. Nesta etapa, todas as atividades foram conduzidas pela Ayllu Atacama, uma empresa competente, com a qual fizemos uma parceria pelo blog. A Ayllu possui um foco dirigido aos brasileiros, que acabam sendo a maioria dos turistas que visitam esta região. Não nos arrependemos: os serviços foram de excelente qualidade.

Após nossa chegada em Santiago, partimos para a cidade de Calama pela Sky Airlines, com preços bem mais acessíveis que as companhias aéreas brasileiras. Com alguma dificuldade, conseguimos comprar as passagens aqui mesmo do Brasil, pela internet. De Calama, seguimos de ônibus até San Pedro de Atacama, em uma viagem com cerca de 1,5 horas de duração. O transfer foi feito pela TransLicancabur
As opções de passeios existentes são inúmeras. Depois de pesquisar e considerando nosso tempo disponível, optamos pelos seguintes: Valle de La Luna e de La Muerte, Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas, Geiseres El Tatio, Vale do Arco Íris, Salar de Tara e fechamos a conta com uma boa aventura na subida ao Vulcão Lascar, um dos vulcões ativos da região. A sequência de passeios levou em conta o aumento gradual da altitude, de modo que pudéssemos ter uma boa aclimatação.


1º dia: Valle de La Luna e de la Muerte

Pela proximidade com a cidade de San Pedro, é necessário apenas uma tarde para visitar estes Vales. E que cartão de visitas !!. Toda a beleza rústica e imponente das paisagens áridas do Atacama descortina do alto dos mirantes como se estivessem avisando aos visitantes: Preparem-se! isso é só o começo.

Valle de La Luna - Chile
Visão do Valle de La Luna
Veja os detalhes deste dia neste Link

2º dia: Lagunas Altiplânicas e Piedras Rojas

Como várias opções ficam distantes, o dia começa cedo para os turistas. Entre 05:30 e 06:00 o transporte da agência passa pelo local de sua hospedagem e segue para as Lagunas Altiplânicas e as chamadas Piedras Rojas que ficam no Salar de Talar, a 4100 m de altitude. O café da manhã é servido tendo como pano de fundo o Vulcão Miñiques. Visitamos ainda as Lagunas Miscati e Miñiques. Retornando a San Pedro, o almoço no Restaurante da Ayllu estava incluído no pacote.
Vulcão Miñiques - Chile
Um belo reflexo do Vulcão Miñiques

Veja os detalhes deste dia neste Link

3º dia: Geisers El Tatio e Vale do Arco Íris

Prepare-se bem para o frio. De manhã cedo, na região dos Geisers, costuma fazer temperaturas negativas. No dia em que fomos, os termômetros marcavam -5ºC. Além de conhecer esse campo geotermal a 4300 m de altitude, é possível tomar banho na piscina natural térmica.
Geiseres El tatio
Geiseres el Tatio
À tarde, fomos eu, Rosana e nosso guia Daniel visitar o Vale do Arco Íris. Formações rochosas muito interessantes e uma rápida visita a um sítio arqueológico (Yerbas Buenas) com petróglifos completaram o dia.

Veja os detalhes deste dia aqui: Link 1 e Link 2


Valle del Arcoiris
Vale do Arco Íris

4º dia: Salar de Tara

Tomamos o café da manhã na Ayllu e seguimos para o Salar. No caminho, passamos por (mais) um belo atrativo da enorme geodiversidade do Atacama: os chamados Moai de Tara ou Monges de La Pacana. Olha só a comparação entre Rosana e esse aí, que tem a forma de um índio:

Monge de la Pacana
El Indio
Salar de Tara - Chile
Uma visão do Salar de Tara, visto do mirante
Almoçamos em frente ao Salar e quando chegamos a San Pedro, lá pelas 16:45 ainda tivemos tempo de alugar bikes para uma rápida pedalada até o sítio histórico de Pukará de Quitor, distante apenas 3 Km.

Veja os detalhes deste dia aqui: Link 

5º dia: Ascensão ao Vulcão Lascar

Todos as expedições anteriores exigem pouco esforço físico. Os veículos chegam bem perto das atrações e daí é só apreciar as paisagens e fotografar. No máximo uma curta caminhada contemplativa.

A ascensão ao Lascar é bem mais exigente. Saímos bem cedo, tomamos o café próximo ao local, às margens da Laguna Lejía e o carro nos deixou no sopé do Vulcão, de onde chegamos ao cume. Três horas de caminhada para alcançar a cratera, chegando aos 5500 m de altitude.

Laguna Lejia
Laguna Lejía. O Vulcão Lascar é a montanha nevada à esquerda da foto
Cratera do Vulcão Lascar
Chegamos à cratera !!

Veja os detalhes deste dia aqui: Link 


SALAR DE UYUNI

A viagem até o Salar de Uyuni dura 3 dias, partindo de San Pedro de Atacama. Contratamos a Cordillera Traveler e partimos para o país vizinho, cuja fronteira fica a cerca de 45 Km de San Pedro. Há belíssimas atrações nos três dias de viagem, de modo que o Salar funciona como um espécie de coroamento da aventura off road.

1º Dia (veja detalhes neste link)

Após os procedimentos nos postos de fronteira do Chile e da Bolívia, os carros 4x4 com capacidade para 7 pessoas partem rumo a Uyuni. Há a necessidade do pagamento de 150 bolivianos para entrada na Reserva Nacional da Fauna Andina Eduardo Avaroa, bem próximo à Laguna Blanca. Durante o dia, visitamos a Laguna Esmeralda (que fica por trás do Vulcão Licancabur) e uma pequena terma onde é possível tomar banho. O ponto alto deste trecho é a Laguna Colorada, onde são avistados centenas de flamingos.

Laguna Blanca - Bolívia
Laguna Blanca
Laguna Esmeralda
Laguna Esmeralda
Flamingo na Lagoa Colorada
Um dos flamingos na Laguna Colorada
Uma vantagem da Cordillera Traveler é que sua hospedagem é exclusiva, isto é, não é compartilhada com as diversas agências que fazem esse percurso. Entretanto, toda a estrutura e alimentação são bem simples, os quartos são comunitários e o banheiros são mistos.

2º Dia

O segundo dia passa pelo Deserto de Dalí e pelo Deserto de Siloli. Neste último, o destaque é a chamada Árvore de Pedra (Arbol de Piedra).

Arbol de Piedra
Árvore de Pedra
Mais lagoas e mais belezas:

Laguna Honda - Bolivia
Laguna Honda
Laguna Hedionda - Bolívia
Laguna Hedionda e mais flamingos

Laguna Cañapa - Bolívia
Laguna Cañapa

3º Dia

O início do último dia foi às 05:00 para apreciar o nascer do Sol no Salar de Uyuni. Acordar bem cedo, num frio de rachar compensa o esforço. O visual é magnífico. Curtimos a imensidão do Salar, as tradicionais fotos engraçadas, a Ilha Inkahuasi e seus cactos milenares e finalizamos o tour com uma visita ao cemitério de trens na cidade de Uyuni.

Amanhecer no Salar de Uyuni
Amanhecer no Salar de Uyuni
Isla Inkahuasi
Isla Inkahuasi e os cactos milenares
Aventura Mango no Salar de Uyuni
Nosso grupo animado!
Cemitério de Trens Uyuni
Um dos trens abandonados em Uyuni
Vários turistas optam por retornar a San Pedro de Atacama após o almoço. Preferimos prosseguir de Uyuni até La Paz de avião pela companhia Amaszonas (também há a opção de tomar um ônibus, em uma viagem que dura de 10 a 12 horas).

HUAYANA POTOSI

Chegamos ao aeroporto El Alto à noite e tomamos um táxi credenciado até nossa hospedagem em La Paz, no bairro Sopocachi. Ficamos no simpático e acolhedor Hotel Tinka, um bed and breakfast com ótimo atendimento e bem confortável, de onde dá para ir à pé até a estação do teleférico amarelo.

O dia seguinte foi, por assim dizer, de folga. Aproveitamos para contratar a Inca Land Tours, com quem já havíamos mantido um contato prévio, para a ascensão ao Huayna Potosi, uma montanha que fica perto de La Paz, com 6088 m de altitude.

A aventura mais desafiadora de toda a viagem começou no dia seguinte e tomou três dias (dois para subir e um para retorno).
Huayna Potosi a a Represa Zongo
A represa Zongo e o Huayna Potosi
Trekking até o Campo Alto
Caminhada entre o Campo Base e o Campo Alto

Após 5 horas de caminhada partindo do Campo Alto, alcançamos o cume ao nascer do sol, às 06:00

Cume do Huayna Potosi

Dicas Gerais

Algumas dicas são importantes para aproveitar bem uma viagem como esta (ao longo dos outros posts, vamos detalhando as recomendações e sugestões):
  • Beba muita água. Entre 2,5 e 3 litros por dia. É fundamental para a aclimatação às altitudes e para repor a água evaporada no clima seco. Não subestime essa necessidade e compre garrafões de 6 litros em San Pedro. São mais econômicos (custavam em torno de R$ 10,00).
  • Se possível, reserve sua hospedagem sem café da manhã. Não vale a pena, uma vez que os passeios saem bem cedo e as agências fornecem esta refeição.
  • Se tiver um tempo disponível, é possível alugar bikes em San Pedro. Há várias lojas que oferecem as magrelas.
  • A comida não é barata em San Pedro, mas há ótimas opções de restaurantes, a exemplo do CKunna
  • O clima no deserto é bipolar: fará muito frio no início da manhã e à noite e calor durante o dia.
  • Sempre leve papel higiênico e lenços umedecidos. Em alguns atrativos do Atacama e no percurso para Uyuni não há banheiros e na Bolívia, quando há banheiro, não há papel.
  • Informe-se sobre as taxas que são necessárias para entrada em alguns atrativos.
Ficaram interessados neste roteiro? Não percam os próximos posts !

Seja o primeiro a comentar!

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...