domingo, 21 de abril de 2013

Explorando Kathmandu

Mercado Local Kathmandu
Mercado Local
É impossível aproveitar o que o Nepal tem a oferecer sem conhecer um pouco de sua religiosidade. O culto às deidades hindus (cerca de 85% da população é hinduísta) ou a prática da filosofia budista (cerca de 10%) está presente no dia-a-dia de forma muito intensa.

E não é fácil processar tanta informação. Tivemos o privilégio de contar com Manoel Morgado que, além de experiente no montanhismo, conhece bastante da cultura nepalesa.

No 2º dia no Nepal, tivemos uma pequena introdução sobre a história do país e seguimos à pé para conhecer mais detalhes do cotidiano em Kathmandu. Percorrendo os tempos e praças, começamos a conhecer as características do panteão hindu.

Um pouco do hinduísmo


Para começar, os deuses e deusas não competem entre si. São manifestações diferentes de um princípio único. A mais importante representação é a Trimurti: Brahma (ou Braman), Vishnu e Shiva.

Brahma é o criador do universo, casado com Saraswati – deusa da sabedoria e da ciência. É representado com quatro faces com barba e com quatro braços. Não há um rito específico para culto à Brahma e isso talvez explique a ausência de templos.

Vishnu é o Senhor da proteção, sustentação e manutenção. Sua esposa é a deusa Lakshmi, que representa a riqueza material, sucesso, alimento, coragem. “Vishnu e Lakshimi auxiliam, desta forma, as almas introduzidas no ciclo vital por Brahma a sobreviverem”. Entre os avatares de Vishnu, os mais conhecidos são Buda, Rama e Krishna.

Shiva é o destruidor ou renovador, casado com Parvati.

Shiva Kala Bhairab
Nesta bela imagem de Shiva, observamos alguns de seus símbolos: a lua crescente, o trisul (tridente), a cobra Vasuki ao redor do pescoço, um damaru (pequeno tambor simbolizando a energia criativa), o colar de rudraksha, entre outros.
Em contraste, esta representação de Shiva é a Kala Bhairab. Fica em atrás do templo Jagannath, na Durbar Square. Os devotos acreditam que, quem contar uma mentira na frente da estátua, morre instantaneamente (pelo sim e pelo não, melhor falar a verdade)

Cada divindade possui seu veículo sobre o qual viaja e representa as várias forças que o deus ou deusa conduz. Podemos reconhecer a qual divindade um templo é dedicado, pelo veículo à frente da edificação. Exemplos:
Touro Nandi
O touro Nandi é o veículo de Shiva. Representa o poder bruto, a violência, a sexualidade e virilidade, que podem ser controlados com a ajuda de Shiva.

garuda e Vishnu
O Garuda é um pássaro ou homem-pássaro, veículo de Vishnu.
Outras divindades:
Ganesh Hanuman
Ganesh ou Ganesha – É o senhor que remove obstáculos, amplamente reverenciado. A cabeça de elefante simboliza sabedoria e compreensão. Na mitologia hindu, é filho de Shiva e Parvati. As duas presas representam dois aspectos da personalidade humana: sabedoria e emoção. Seu veículo (curiosamente) é um rato, que simboliza o ego, a ser dominado.
HanumanGeneral do exército dos macacos no épico Ramayana, onde ajudou Rama a derrotar Ravana. Quando o irmão de Rama, Lakshmana foi ferido, voou até o Himalaia em busca de uma erva medicinal. Não sabendo identificá-la, pegou a montanha inteira e levou até Lakshmana. Simboliza força física e mental, honestidade, sinceridade e lealdade
Velas
Nos locais de oferendas, os devotos acendem
velas
Arroz Oferenda
O arroz está presente em todas as oferendas

  Durbar Square


Neste 2º dia em Kathmandu visitamos a Durbar Square, ou praça do palácio, existente nas cidades que eram sedes dos reinos do Nepal, antes da unificação. Em Kathamandu, o conjunto também é conhecido como Hanumandhoka Durbar Square, em referência à estátua de Hanuman, localizada perto da entrada do palácio.

O acesso é feito mediante o pagamento de uma entrada no valor de 750 rúpias. Logo no início, vemos o antigo palácio que infelizmente foi parcialmente descaracterizado com uma reforma de influência européia. Ao lado, uma infinidade de ofertas de souvenirs.

Antigo Palácio
A parte branca é a que foi descaracterizada
Souvenirs
Venda de souvenirs
O passeio é uma tortura (no bom sentido) para quem gosta de fotografar. Uma infinidade de detalhes e motivos atraem a atenção e as objetivas. É um mundo totalmente novo para os olhos ocidentais. Uma “overdose” de informações visuais.

Durbar Square
Telhados sobrepostos são típicos
Na Durbar Square, entramos no pátio da residência da Deusa-viva Kumari. A Kumari é uma menina, escolhida entre os 3 e 5 anos de idade e considerada reencarnação de uma deusa. Vive reclusa até a primeira menstruação (quando perde o posto) e só aparece em ocasiões especiais.

Kumari 02
Belos entalhes de madeira em todo o prédio, estilo Newari
Kumari
Mas você pode comprar os postais vendidos na entrada....
Torana
Detalhe de uma das toranas - painéis que ficam sobre as portas
  

Passeio de riquixá

Saímos da Durbar Square e fomos levados a experimentar um passeio de riquixá, puxado à bicicleta. Toda a turma saiu, em verdadeira disputa pelo espaço das ruas estreitas de Kathmandu. A todo instante achávamos que haveria uma colisão, mas no final, salvaram-se todos e foi bem divertido. Terminamos o dia com a compra dos equipamentos que faltavam para o trekking.

riquixá 01
À espera dos clientes
riquixá 02
Todos a postos ?
riquixá 03
De quem é a preferencial?
riquixá 04
Acelera !!

 Onde comer bem em Kathmandu


As indicações que recebemos (e aprovamos) não se referem apenas ao sabor dos pratos, mas também à confiança em questões sanitárias. Mais uma vez, todo cuidado é pouco na escolha dos locais para refeições:

  • Restaurante La Dolce Vita – a especialidade é a comida italiana. Localizado no bairro do Thamel
  • OR2K – Restaurante vegetariano e bem charmoso. As pessoas deixam os sapatos na entrada e sentam-se para comer em mesas baixas .Localizado na Mandala Street, bairro do Thamel
  • Kaiser Café – Restaurante localizado dentro do bonito Garden of Dreams – quase um parque com áreas amplas e verdes, também no bairro Thamel. Para entrar no espaço (independente de ir ao restaurante, paga-se uma taxa de 200 rúpias). Ótimo e variado cardápio.
  • Chez Caroline – Restaurante francês, situado dentro do Baber Mahal, um conjunto de restaurantes e lojas construído no que foram as antigas cavalariças de um palácio.

Para saber mais


Livro “Deuses e deusas hindus”, de Sunita Pant Bansal, editora Nova Era. 92p.

Outros posts da série:

1 - Como é !? Vão subir o Everest?
2 - Chegada à Kathmandu
3 - Explorando Kathmandu
4 - Kathmandu–Pashupatinah e Boudhanath
5 - Voando para um dos aeroportos mais extremos do mundo (Lukla)
6 - Começamos a jornada! Caminhada até Monjo
7 - Namche Bazaar
8 - No caminho para Thamo, a visita a monges budistas
9 - Rumo ao Everest Base Camp: chegamos aos 4000 metros
10 - Como as cargas são transportadas no Himalaia
11 - A caminhada continua. Rumo à Deboche
12 - Sol e esterco: fontes energéticas no Himalaia
13 - Os desafios continuam: caminhada até Dingboche
14 - Uma curta caminhada, lindas paisagens e um desafio
15 – Entrevista com Manoel Morgado
16 – Lobuche e o Memorial aos Sherpas mortos
17 – Quase Lá: Gorak Shep
18 – Kala Patthar: 5500m e a melhor visão do Everest
19 –  Acampamento Base do Everest:Objetivo conquistado
20 – Retorno do Acampamento Base do Everest – de Gorak Shep a Deboche
21 – Terminando a caminhada: de volta a Lukla

10 comentários:

  1. Esse post foi uma aula dos deuses! :)
    Muito interessante passear e fotografar um espaço diferente como esses.
    Que tenso andar nesse tal de riquixá.

    Abraços,
    Lillian.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Lillian,
      Vocês iriam ficar malucos com tanto motivo para fotografar :). Aliar o aprendizado de novas culturas à fotografia é magnífico. Quanto aos riquixás, bom...é turismo de aventura, né?
      Abraços

      Excluir
  2. Eu adorei o Nepal, e olha que só dois lugares: o Vale de Kathmandu e Pokhara. Foi uma viagem incrível.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rafael,
      Acredito que seja difícil não gostar deste país incrível :)
      Abraço
      Jodrian

      Excluir
  3. Oi, Jodrian. Tudo bem? :)

    Seu post foi selecionado para a #Viajosfera, do Viaje na Viagem.
    Dá uma olhada em http://www.viajenaviagem.com

    Até mais,
    Natalie - Boia

    ResponderExcluir
  4. que legal esse post, Jodrian - quero muito conhecer Katmandu!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Mari.
      Vale a pena!. Há muita coisa interessante para conhecer. Breve publico mais um sobre a cidade :)
      Abraço

      Excluir
  5. Adorei o post! Mas não fiquei com vontade de ir não. Eu já mato minha curiosidade lendo esses posts e acompanhando a aventura alheia, hehehehe

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigado, Gleiber
      Mas pq não ficou com vontade? É uma cidade interessante :)
      Abraço

      Excluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...